Graciano Caseiro Entrevista Will Tom


WILL TOM PUXANDO A VIDA NOS PALCOS

E TABLADOS CARIOCAS E BRASILEIROS




ATOR WILL TOM é considerado um artista pelos amigos e os fãs, pois ele transita no cinema, nos bastidores dos teatros, na voz e no canto, culturalmente nas rádios e nas salas de aula.

Um talento que destina-se ao fortalecimento dos belíssimos trabalhos dos artistas, nos talentos de Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, cuja região é uma vasta planície de escritores, poetas, atores, músicos, desenhistas, pintores, fotógrafos, arquiteto, escultores, dançarinos, compositores e de todas as nuances da Arte.

Will Tom uma pessoa comum, que tenta evidenciar de forma límpida os dons que recebeu, exercitando de forma plena os ofícios da vida, para que, de alguma forma, possa conseguir a felicidade de contagiar outros na busca de seus melhores desempenhos. E, diante da vida, tenta não cimentar o seu espírito com a vaidade ou prepotência, por ser sabedor de que pouco é diante de tanta beleza e competência de outros seres humanos.

Hoje, Will Tom faz arte por prazer, por amor, por acreditar no poder da arte e da cultura. Ele deseja permanecer atuando até o momento da sua despedida desse planeta. Diz que não pode deixar de mostrar gratidão por tudo o que já apresentou.


CURRÍCULO ARTÍSTICO
WILL TOM (Ator)

2016 - Longa-Metragem BAR, GAROTA DE IPANEMA, de Carlo Mossy;
2015 - Longa-Metragem SÓ PELO AMOR VALE A VIDA, de Carlo Mossy;
2015 - Peça O EMPRESÁRIO DA GRAXA, de Will Tom, vencedor de dois prêmios no XVII FesTeatro: Melhor Texto e Melhor Ator;
2014 - Prêmio de Melhor Ator do Festival de Cinema  Rio Grande;
2013 - Peça O PROPRIETÁRIO, de Roberto Espina, vencedor de dois prêmios no XV FesTeatro:    Melhor Texto e Melhor Atriz para Gui Soarrê;
2013 - Filme ACASO, de Dilleygor Lagares;
2013 - Curta-Metragem HOSPEDARIA, de Ângela Caspi;
2013 - Filme GUIRLANDA, de Will Tom, atuando como Diretor e Produtor;
2010 - Peça O MUNDO SERÁ PIPOCA, de Núbia Moreira, atuando como co-produtor;
2009 - Peça O MUNDO SERÁ PIPOCA, de Núbia Moreira, atuando como coreógrafo;
1993 - Curta-Metragem NO FUNDO DO QUARTO ESCURO, de Marcelo Bueno;
1992 - Curta-Metragem SUBÚRBIO PERDIDO, de Angela Fontanete;
1988 - Curta-Metragem Documentário PROVETÁ, de Angela Fontanete;
1988 - Peça A LOUCURA DO VIZINHO, de Marcia Maria Telles;
1983 - Peça SANPAKINHO, de Aurimar Fontana;
1980 - Peça AS FLORES DO SOBRADO, de Marcia Maria Telles;
1976 - Filme MEIO FIO, de João Fernandes Filho;
1975 - Curta-Metragem TRABALHO PUXADO, de João Fernandes Filho.



De Will Tom Por Will Tom? Quem  é?
Sou um homem comum, que tenta evidenciar de forma límpida os dons que recebi, exercitando de forma plena os ofícios da vida, para que, de alguma forma, possa conseguir a felicidade de contagiar outros na busca de seus melhores desempenhos. E, diante da vida, tento não cimentar o meu espírito com a vaidade ou prepotência, por ser sabedor de que pouco sou diante de tanta beleza e competência de outros seres humanos.


Qual foi o 'click' da sua arte que despertou esse talento?
Desde os cinco anos de idade já sabia que seria professor e que utilizaria a Arte, sempre que me chegasse às mãos. A estreia do cinema começou em 1975, a do canto teve início em 1978 e o magistério foi fruto de muito esforço, iniciando na década de 80.

Qual o fato ou pessoa que teve mais influência na sua atividade?
Vários ícones, a começar pelos familiares. Tive a sorte de ter um pai com talentos musicais e minha mãe, por seu talento, impulsionou-me no canto. Fora da família, dois grandes artistas impulsionaram-me na carreira, o saudoso músico Paulo Magalhães e o também saudoso João Fernandes Filho, que me dirigiu em meu primeiro filme.


O que você gostaria de ver divulgado, do seu trabalho, nesta entrevista?
Recentemente fui convidado para participar do filme SÓ PELO AMOR VALE A VIDA, do magnífico Carlo Mossy, que fala sobre a vida e a obra do compositor Zequinha de Abreu. O filme teve a direção executiva de Mirella Spadon e faço parte de um elenco maravihoso, que além de amigos são atores consagrados, como Leonardo Arena, Rossana Ghessa, Lady Francisco, Tião D'Ávila, Lucia Alves, Kátia D'Ângelo, Enoli Lara, Magda Edite, entre outros. Também adoraria ver a divulgação dos álbuns que já lancei, desde 1986. São 18 álbuns.

Qual é a principal 'mancada' no Brasil, em se tratando de incentivo ao artista? É difícil ser artista neste país? O que poderia ajudar?
Como em todos os meios, acredito que os governantes deveriam investir nas produções de artistas vários. Infelizmente, muitos talentos permanecem ocultos, pois os governantes só investem em artistas da mídia, muitas vezes de valor artístico questionável,  e que fazem parcerias políticas. Talvez isso se modifique, com o tempo.



Conte um pouco sobre carreira e onde deseja chegar?
Na minha idade, já conquistei, com sucesso, tudo o que desejava. O que chega é lucro. Hoje faço Arte por prazer, por amor, por acreditar no poder da Arte. E desejo permanecer atuando  até o momento da minha despedida desse planeta. Não posso deixar de mostrar gratidão por tudo o que apresentei, ao lado de nomes grandiosos, como John Phillips, Scott McKenzie, na música e de grandes nomes do Cinema Nacional.

Como o site trajetória cultural pode contribuir para 'os artistas', na sua opinião?
Acho que o site Trajetória Cultura está contribuindo em muito para a valorização de artistas, principalmente da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Talvez seja um dos primeiros a reconhecer que a Arte está em todos os cantos do país, valorizando e divulgando trabalhos de muitos que ainda não aparecem na mídia. É uma grande honra ter meu nome nessa divulgação.



O que falta pra gente melhorar em forma de divulgação no site, o que você acha que precisa acrescentar?
Acredito que possam buscar patrocínio e divulgar no YouTube, talvez criando entrevistas em vídeos. Mas o que está ocorrendo já é um grande passo e um caminho belo de sucesso.





PÁGINA OFICIAL
https://www.facebook.com/profile.php?id=100000217332567

CALÇADA DA FAMA
https://www.facebook.com/groups/1597414407052248/



Por Graciano Caseiro

Share:

2 comentários:

  1. Grande honra estar no Trajetória Cultural.
    Gratidão infinita!!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela matéria. Will Tom é um grande artista multimídia e grande agregador da classe artística da Zona Oeste do Rio de Janeiro.
    Parabéns!

    ResponderExcluir

TOP 5

Recente